Investimentos para previdência

Publicação: Folha de SP

Vantagens na hora de pagar Imposto de Renda e mecanismos que ajudam o investidor a não perder a disciplina são pontos que devem ser considerados ao contratar uma previdência privada para complementar a aposentadoria.

Letícia Camargo, planejadora financeira da Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros), diz que a possibilidade de receber boletos mensais para fazer depósitos na previdência ou de colocar os aportes em débito automático contribui para que o participante mantenha o hábito de investir para a aposentadoria.

“Investir tem um lado emocional. Arranjar um dinheirinho no final do mês para contribuir de forma voluntária é difícil. Se você entra em algo automatizado, já se organiza levando em conta aquele compromisso, como se fosse a conta de luz”, diz.

Esse tipo de investimento também tem a vantagem de uma tributação favorável para quem deixa o dinheiro por mais tempo.

Enquanto aplicações no Tesouro Direto têm alíquota que começa em 22,5% e recua até atingir 15%, depois de 720 dias, os planos de previdência privada, na tabela de tributação regressiva, têm alíquota mínima de 10% —embora partam de 35%, para desestimular resgates precoces.

Há duas modalidades de planos de previdência privada: o PGBL e o VGBL.

Daniel Calonge, presidente da empresa Monetus, gestora de investimentos digital, explica que a primeira modalidade é indicada para investidores que fazem a declaração do Imposto de Renda completa, que permite mais deduções. Isso porque até 12% do valor bruto aplicado nesses planos pode ser deduzido do IR.

No PGBL, todo o dinheiro aplicado no fundo é tributado no momento do resgate. Já no VGBL, as alíquotas só incidem sobre o rendimento obtido com a aplicação.

A escolha de um investimento desses requer bastante pesquisa e comparação. Fatores como a taxa de administração cobrada pela instituição que oferece a aplicação e o retorno sobre o investimento do fundo podem influenciar muito o resultado obtido, diz Calonge.

Ele simulou aportes de R$ 100 mensais por 30 anos. Com uma taxa de administração de 3%, o valor acumulado ao fim do período totaliza R$ 75 mil. Se a taxa recuar para 1%, sobe para R$ 107.500.

A simulação considerou um fundo que rendeu 100% do CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro, valor dos empréstimos entre instituições financeiras), num juro médio de |8% ao ano.

Se o percentual do CDI subir para 150% e a taxa de administração for mantida em 1%, o valor final avançará dos R$ 107.500 para R$ 225 mil.

Calonge diz que é preciso encontrar um equilíbrio entre essas variáveis. Um fundo com taxa de administração baixa, mas retorno ruim, pode ser mau negócio. “O maior vilão para o investidor são os fundos com baixos rendimentos”, diz.

Jorge Pohlmann Nasser, diretor-presidente da Bradesco Vida e Previdência, diz que fundos com maior taxa de administração tendem a ser aqueles que exigem maior atenção do gestor —em alguns casos contendo ativos de renda variável— e podem oferecer retorno maior.

Fernanda Fonseca, economista do aplicativo Renda Fixa, de comparação de investimentos, concorda ser importante avaliar o histórico de retorno dos fundos e o perfil do gestor, mas lembra que bons resultados no passado não são garantia de bons rendimentos no futuro.

 

Compartilhe este conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Sobre Nós

A maior plataforma de investimentos do país. Encontre os melhores investimentos de acordo com seus objetivos gratuitamente.

Post Relacionados

rentabilidade

Conheça as alternativas em Renda Fixa. Publicação: Diário do Comércio  Com rentabilidade

Aporte-estrangeiro-B3

Publicação: Isto é Com a melhora do ambiente externo, no dia 11,

Publicação: Hoje em dia Início de ano é o momento ideal para

Seguir

Mais Assisitidos

Fechar Menu
Abrir Chat
Olá, tudo bem? Me chamo Rafael e sou economista, como posso te ajudar?
Powered by