Como melhorar a rentabilidade do seu CDB?

 

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um dos principais produtos de renda fixa disponíveis no mercado nacional, e um dos títulos queridinhos de boa parte dos investidores – principalmente por oferecer rentabilidade superior à da caderneta de poupança.

O CDB pode ser pós ou prefixado, e sua rentabilidade varia de acordo com o banco que oferece o produto, com o tempo do aporte e a quantidade investida e o tipo de certificado escolhido pelo investidor. Mas você sabia que, independente destas características, é possível turbinar a rentabilidade do Certificado de Depósito Bancário?

Quer saber como? Então continue a leitura do artigo de hoje, entenda um pouco mais sobre o CDB e saiba como melhorar a rentabilidade do seu investimento!

O que é o CDB?

O Certificado de Depósito Bancário – CDB é um título de renda fixa emitido pelas instituições financeiras brasileiras, que garante ao portador a devolução do valor pago pelo título – como uma espécie de empréstimo ao banco – acrescido de juros ao final de determinado período. Desta forma, no vencimento do título, o investidor recebe o valor investido na aplicação e os rendimentos do período.

É como se você emprestasse parte do seu capital ao banco – em uma situação inversa do que costuma ocorrer, e a instituição financeira lhe devolve este “empréstimo” mais juros. O dinheiro captado pelo banco através dos CDBs são utilizados para viabilizar empréstimos aos clientes do banco, das mais diversas maneiras.

Como o CDB funciona?

Os CDBs costumam ser oferecidos pelos bancos diretamente aos correntistas. Por conta desta comodidade e facilidade que o cliente tem de aplicar em CDB diretamente pelo Internet Banking e receber seus rendimentos em conta, esta modalidade acaba sendo bastante popular entre os investidores – principalmente entre os pequenos poupadores.

Você não precisa, necessariamente, comprar um CDB no banco onde possui conta – apesar desta ser uma opção bastante escolhida pelos investidores. É possível pesquisar as instituições financeiras que oferecem os melhores rendimentos e taxas e escolher aquela que valer mais a pena para o investidor.

A definição dos rendimentos de um Certificado de Depósito Bancário é definida no ato da contratação do título, e varia de acordo com o prazo de vencimento do CDB, com o valor total aplicado e com o tipo do título – se prefixado ou pós-fixado. Cada banco emissor, no entanto, tem a liberdade de oferecer os rendimentos que julgar conveniente aos clientes nesta modalidade de investimento.

Este investimento possui garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que protege o investidor em uma soma total de até R$ 1 milhão investidos em um período de 4 anos – limitada a R$ 250 mil por instituição por CPF. Desta forma, caso a instituição bancária emissora do seu CDB quebre, o fundo lhe garantirá o valor investido dentro dos limites estabelecidos.

Tipos de CDB

A rentabilidade dos CDBs varia de acordo com o tipo de certificado escolhido e, por isso, é importante se atentar na hora escolha. Conheça os tipos de CDBs disponíveis para o investidor:

CDB Pós-Fixado

– Atrelado ao CDI:

O Certificado de Depósito Bancário pós-fixado e atrelado ao CDI é o tipo mais comum entre os investidores. Neste caso, o investidor recebe um percentual da variação do CDI no período do título.

Imagine que você encontre um CDB que ofereça aos investidores 100% do CDI por ano. Se o CDI no período for de 10%, por exemplo, a rentabilidade bruta do seu investimento será de 10% no ano. Caso você tenha investido R$ 1.000 nesta situação hipotética, você teria R$ 1.100 ao final de um ano.

– Indexado à inflação:

Os CDBs indexados à inflação são vinculados a um determinado índice – com o IPCA, por exemplo, e o rendimento é composto pela variação do índice acrescido de juros prefixados. Neste caso, o investimento acaba tendo um ganho real no período ao mesmo tempo que recebe a correção pela inflação neste mesmo espaço de tempo.

CDB Prefixado

Os Certificados prefixados são aqueles nos quais a taxa de juros incidente sobre o título é definida no momento da aplicação. Isso quer dizer que o investidor saberá exatamente o valor que terá direito a resgatar no vencimento do título.

Imagine que um banco lhe oferece um CDB com rendimento de 9% ao ano. Neste caso, se você resgatar o título após um ano, resgatará o valor de R$ 1.090,00 – sem descontar os impostos.

Como melhorar a rentabilidade do seu CDB?

Muitos investidores ainda não sabem, mas é sim possível melhorar a rentabilidade do CDB. Existem, basicamente, duas formas principais de turbinar os rendimentos provenientes deste produto de renda fixa. Conheça cada uma delas:

Investindo em bancos menores

Devido à garantia que o FGC oferece em relação às aplicações em CDB dentro dos limites estabelecidos pelo fundo, o investidor acaba tendo certas vantagens no que se refere à rentabilidade do investimento.

Isso porque, nesta situação, investir em bancos maiores (que costumam oferecer rentabilidades mais baixas) ou em instituições menores (que tendem a oferecer taxas mais atrativas ao investidor), representa o mesmo risco que, graças ao FGC, é praticamente nulo.

Desta maneira, o investidor consegue turbinar a rentabilidade do seu CDB realizando aportes em bancos menores, que possuem rentabilidades atrativas e oportunidades, inclusive, para quem não possui grandes somas para investimentos.

É importante ressaltar, no entanto, a importância de investir dentro dos limites previstos pelo FGC. Para estarem cobertos pelo fundo, os investidores podem aportar até R$ 250 mil em cada instituição financeira, respeitando o limite global de R$ 1 milhão, renovável a cada 4 anos.

Na hora de escolher o melhor CDB para investimento, portanto, vale a pena ficar atento às oportunidades que aparecem em bancos menores, evitando aplicar no primeiro banco que lhe fizer uma oferta ou na instituição bancária que você mais utiliza no dia a dia. Pesquise, analise e encontre opções de investimentos que possam lhe trazer melhores resultados.

Abrir mão da liquidez

Uma outra maneira de melhorar a rentabilidade do seu CDB é abrir mão da liquidez do investimento. Isso significa optar por CDBs com prazo de resgate mais longos – como 1 ou 2 anos, por exemplo, que costumam oferecer taxas mais atrativas na comparação com títulos de resgate imediato.

Para que esta escolha seja feita de maneira sólida e consciente, no entanto, é preciso que o investidor tenha bem definido em mente o seu planejamento financeiro para curto, médio e longo prazo. Muitas vezes o investidor que não possui objetivos financeiros definidos  acaba optando por CDBs com prazos mais elásticos e, consequentemente, sofrendo com a falta da liquidez em momentos de necessidade justamente por conta da falta de planejamento e organização de suas finanças.

Para evitar cair nesta cilada, defina suas metas pessoais e identifique quais investimentos serão aportados para realizá-las no curto, no médio e no longo prazo. Além disso, é importante ter uma reserva de emergência que lhe ofereça uma certa tranqüilidade financeira em caso de necessidade – evitando, portanto, que a falta de liquidez de  um CDB, por exemplo, lhe traga dores de cabeça futuras.

Conclusão

Se você investe ou deseja investir em CDBs e quer melhorar a rentabilidade do seu investimento procure se atentar às oportunidades oferecidas por bancos menores e aos investimentos com prazos mais longos, que tendem a entregar uma rentabilidade mais interessante para o investidor.

Independente da sua escolha, não se esqueça de planejar-se financeiramente antes da realização de qualquer aporte. Um bom planejamento financeiro é e sempre será uma peça fundamental para a conquista de boas rentabilidades e a escolha dos melhores investimentos para cada investidor.

Gostou do artigo de hoje? Então não esqueça de deixar seu comentário por aqui!

 

Compartilhe este conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Sobre Nós

A maior plataforma de investimentos do país. Encontre os melhores investimentos de acordo com seus objetivos gratuitamente.

Post Relacionados

Qual a importância da renda variável na carteira de investimentos? Engana-se quem

renda-fixa-no-exterior

Veja como lucrar no exterior!  Uma carteira diversificada não passa apenas por

taxa de custódia zerada

Vale a pena aplicar? Com o objetivo de aumentar a competitividade, o

Seguir

Mais Assisitidos

Fechar Menu
Abrir Chat
Olá, tudo bem? Me chamo Rafael e sou economista, como posso te ajudar?
Powered by