FIDC: tudo sobre esse tipo de investimento!

 

A busca por investimentos com rentabilidades mais atrativas têm-se tornado algo padrão após sucessivas quedas da Taxa Selic. Os investidores tradicionais de títulos públicos e privados como CDB, LCI e LCA, estão insatisfeitos com os atuais retornos de seus investimentos. Nesse cenário alguns investimentos em renda variável e até mesmo outros de renda fixa surgem como alternativa para quem quer melhorar a rentabilidade de sua carteira. Uma opção interessante a ser explorada é através dos FIDCs.

O que são FIDCs?

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) é um tipo de fundo de investimento que destina mais de 50% de seus recursos, patrimônio líquido, para aplicações em direitos creditórios.

Os direitos creditórios que compõem a carteira de ativos de um FIDC são provenientes dos créditos que uma empresa tem a receber, como duplicatas, cheques e outros.

Por exemplo, uma empresa vende vigas de aço para outra empresa através de duplicatas. Estes recebíveis (as parcelas a serem pagas pela empresa compradora) podem ser vendidos para um FIDC na forma de direitos creditórios. Ao fazer isso a empresa vendedora está antecipando receitas e para isso aceita uma taxa de desconto que, por outro lado, remunera os investidores do fundo.

Em outras palavras, o FIDC empresta dinheiro para a empresa honrar seus compromissos no curto prazo, capital de giro, em troca do pagamento de juros pelo empréstimo, os direitos creditórios servem como garantia.

O FIDC emite cotas por meio de oferta pública junto aos investidores para captar recursos a fim de adquirir créditos das empresas cedentes. Os créditos podem ser originados de transações realizadas nos segmentos financeiro, comercial, industrial, imobiliário, prestação de serviços, entre outros. Assim pode-se dizer que os investidores por meio do FIDC ficam indiretamente expostos ao retorno e risco de tais recebíveis.

Uma vez cedidos os direitos creditórios ao FIDC, os clientes das cedentes pagam diretamente ao FIDC, no nosso exemplo a compradora de vigas de aço, os valores referentes aos bens entregues ou aos serviços prestados.

Os FIDCs são constituídos sob a forma de condomínio aberto ou fechado.

  • Aberto: permite livre entrada e saída de cotistas, o cotista deve solicitar o resgate de suas cotas de acordo com o disposto no regulamento do fundo.
  • Fechado: a entrada de cotistas não é após o período de captação e as cotas só podem ser resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Admite-se ainda, a amortização de cotas por disposição do regulamento ou por decisão da assembleia geral de cotistas.

Como é formado?

Cabe ao administrador, uma instituição financeira específica, constituir o fundo e realizar o processo de captação de recursos através da venda de cotas para investidores. Os FIDCs têm os seguintes participantes:

  • Cedente: é a empresa que vende os direitos creditórios (duplicatas, cheques, etc.);
  • Estruturadores: instituição responsável por montar a operação como um todo;
  • Custodiante: instituição financeira responsável pela custódia e controle dos valores a receber do fundo;
  • Administrador: o responsável pelo FIDC perante a lei;
  • Cotistas: os investidores do FIDC.

Todo o FIDC possui um regulamento próprio que determina a política de investimento do fundo. Características de atuação do fundo, entre as quais os critérios de composição e de diversificação da carteira, os riscos de crédito, de mercado e demais riscos envolvidos e, se for o caso, o segmento em que o fundo atuará.

Tipos de FIDCs

Com relação aos créditos que compõem suas carteiras, os FIDC podem ser classificados em dois tipos: padronizados ou não-padronizados (“FIDC-NP”).

  • Padronizados: só podem aplicar seu patrimônio em direitos creditórios que não apresentem um risco elevado ou natureza incerta, como: recebíveis comerciais e financeiros, duplicatas, cheques, notas promissórias, CRI, CCI, contratos de empréstimos e prestação de serviço.
  • Não-padronizados (FIDC-NP): podem aplicar seu patrimônio em todos os ativos que compõem a modalidade padronizada. Porém podem adquirir outros de maior risco, como: direitos creditórios vencidos e não pagos; originados de empresas em processo de recuperação judicial ou extrajudicial; que resultem de ações judiciais em curso ou que constituam seu objeto de litígio; e de existência futura e montante desconhecido, desde que emergentes de relações já constituídas, entre outros.

Tipos de Cotistas

Há duas classificações para cotistas dos FIDCs: sênior e subordinado. Cada um recebe de maneira diferente a rentabilidade do fundo.

  • Cota sênior: são cotas que possuem prioridade no recebimento do valor de resgate ou amortização. Comportam-se como títulos de renda fixa, já que o objetivo é determinado de maneira prévia, assim que os contratos de compromisso são assinados.
  • Cota subordinada: como o próprio nome já diz, está abaixo da cota sênior no que diz respeito ao momento de resgate. Quem possui essa cota recebe depois, assumindo riscos de inadimplência. Caso o fundo receba mais que o esperado são os subordinados que ficam com essa margem de ganhos, e o contrário caso o fundo receba menos.

Quem pode investir?

Por adquirirem direitos creditórios de natureza menos óbvia que, supostamente, demandariam maior sofisticação do investidor na análise do risco do investimento, a CVM optou por tratar os FIDCs de forma diferenciada, restringindo a aquisição de cotas por eles emitidas a investidores qualificados.

Investidores qualificados são indivíduos que possuem certificação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), como administradores de carteiras, consultores de valores imobiliários e analistas; clubes de investimentos cujo gestor seja um investidor qualificado; pessoas físicas ou jurídicas que possuam investimentos comprovado superior a R$ 1 milhão.

Vantagens do FIDC

  • Rentabilidade superior a diversos títulos de renda fixa
  • Possuem classificação por agências de risco (rating)
  • Podem ser negociados no mercado secundário
  • Vários setores e agências fiscalizam os FIDC (mais segurança)
  • Diversificação dos investimentos

Desvantagens do FIDC

  • Somente profissionais e investidores qualificados podem aplicar
  • O primeiro aporte é de, no mínimo, R$ 25 mil
  • Liquidez baixa
  • Maior risco se comparado a outros investimentos de renda fixa
  • Tributação de IOF para resgate em menos de 30 dias (tabela regressiva)
  • Tributação do IR ao resgatar as cotas (tabela regressiva)
  • Alta oscilação de rentabilidade

Como todo tipo investimento maior retorno recorre a maior exposição ao risco, então tome cuidado antes de começar a investir. Certifique-se também se já possui títulos de renda fixa em sua carteira antes de partir para essa modalidade, é recomendado investir uma parte do seu capital e não todo ele em FIDCs. Espero que tenham aprendido um pouco mais sobre este tipo de investimento.

 

Compartilhe este conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Sobre Nós

A maior plataforma de investimentos do país. Encontre os melhores investimentos de acordo com seus objetivos gratuitamente.

Post Relacionados

corretora para renda fixa

Existe diferença entre banco e corretora? A escolha da corretora que você

jovem investidor

É possível investir com pouco! Embora ainda não faça parte da cultura

Na hora de escolher os investimentos você já parou para se perguntar: Será que vale mais à pena um pré-fixado ou um pós-fixado?

Compare os investimentos e veja qual rende mais! Na hora de escolher

Seguir

Mais Assisitidos

Fechar Menu
Abrir Chat
Olá, tudo bem? Me chamo Rafael e sou economista, como posso te ajudar?
Powered by